Na era di­gi­tal, a no­ção de pro­pri­e­da­de tor­nou-se bem mais es­cor­re­ga­dia

Mobile_75

Ser do­no de uma coi­sa cos­tu­ma­va ser al­go tão cla­ro e exa­to quan­to fa­zer um che­que. Qu­an­do al­guém com­pra­va um apa­re­lho, pas­sa­va a ser seu pro­pri­e­tá­rio. Se a ge­rin­gon­ça que­bra­va, a pes­soa po­dia man­dá-la pa­ra o con­ser­to. Qu­an­do não a que­ria mais, po­dia ven­dê-la ou jo­gá-la fo­ra. Al­gu­mas em­pre­sas en­con­tra­ram ma­nei­ras de ex­plo­rar o mer­ca­do de pós-ven­da com ga­ran­ti­as es­ten­di­das, as­sis­tên­ci­as téc­ni­cas e es­tra­té­gi­as co­mo a co­mer­ci­a­li­za­ção de im­pres­so­ras ba­ra­tas e car­tu­chos de tin­ta ca­ros. Mas es­ses tru­ques pa­ra am­pli­ar os lu­cros não ques­ti­o­na­vam, em es­sên­cia, o que sig­ni­fi­ca ser do­no de uma coi­sa.

Na era di­gi­tal, a no­ção de pro­pri­e­da­de tor­nou-se bem mais es­cor­re­ga­dia. Foi o que per­ce­be­ram os pro­pri­e­tá­ri­os de au­to­mó­veis Tes­la, quan­do sou­be­ram que o pre­si­den­te da mon­ta­do­ra, Elon Musk, proí­be que seus car­ros elé­tri­cos se­jam uti­li­za­dos pa­ra tra­ba­lhar com apli­ca­ti­vos de trans­por­te al­ter­na­ti­vo, co­mo o Uber. Os agri­cul­to­res que la­vram su­as ter­ras com tra­to­res John De­e­re tam­bém já se de­ram con­ta do pro­ble­ma: são “acon­se­lha­dos” a não me­xer no soft­ware que con­tro­la su­as má­qui­nas.

Des­de o ad­ven­to dos smartpho­nes, os con­su­mi­do­res vêm ten­do de se con­for­mar com o fa­to de que não con­tro­lam os softwa­res de seus dis­po­si­ti­vos. Têm ape­nas li­cen­ça pa­ra uti­li­zá-los. Mas, com os con­tro­les di­gi­tais aper­tan­do o cer­co com nú­me­ro ca­da vez mai­or de en­ge­nho­cas e tra­qui­ta­nas, dos au­to­mó­veis e ter­mos­ta­tos aos brin­que­dos eró­ti­cos, de­ter­mi­nar quem é do­no de quê e quem con­tro­la o quê es­tá se tor­nan­do pro­ble­má­ti­co. Os con­su­mi­do­res pre­ci­sam to­mar cons­ci­ên­cia de que al­guns de seus di­rei­tos de pro­pri­e­da­de es­tão sob ame­a­ça. Pro­pri­e­da­de ou di­vi­são. A ten­dên­cia nem sem­pre é ma­lé­fi­ca. Os fa­bri­can­tes que bus­cam res­trin­gir o que os pro­pri­e­tá­ri­os po­dem fa­zer com tec­no­lo­gi­as ca­da vez mais com­ple­xas têm bons mo­ti­vos pa­ra pro­te­ger seu copy­right, ga­ran­tir que su­as má­qui­nas fun­ci­o­nem ade­qua­da­men­te, res­pei­tar exi­gên­ci­as am­bi­en­tais e pre­ve­nir ata­ques de hac­kers. Às ve­zes, as em­pre­sas em­pre­gam o con­tro­le que têm so­bre os softwa­res de de­ter­mi­na­dos pro­du­tos em be­ne­fí­cio do con­su­mi­dor. Qu­an­do o fu­ra­cão Ir­ma atin­giu a Fló­ri­da, no mês pas­sa­do, a Tes­la re­a­li­zou re­mo­ta­men­te um up­gra­de do soft­ware que con­tro­la as ba­te­ri­as de al­guns de seus mo­de­los, ga­ran­tin­do mai­or au­to­no­mia aos veí­cu­los pa­ra que seus pro­pri­e­tá­ri­os pu­des­sem per­cor­rer dis­tân­ci­as mai­o­res e es­ca­par da tem­pes­ta­de.

No en­tan­to, quan­to mais fun­ci­o­na­li­da­des di­gi­tais fo­rem sen­do acres­cen­ta­das às coi­sas, mais a ba­lan­ça do con­tro­le so­bre elas pen­de­rá pa­ra o la­do dos fa­bri­can­tes. Is­so traz in­con­ve­ni­en­tes. Es­co­lher um car­ro já é di­fí­cil, mas po­de se tor­nar ain­da mais ma­çan­te se a pes­soa ti­ver de con­sul­tar o ma­nu­al pa­ra se in­tei­rar das res­tri­ções que a mon­ta­do­ra im­põe ao uso do veí­cu­lo e dos da­dos de que es­ta­rá abrin­do mão ao di­ri­gi-lo. Se is­so le­var a um au­men­to da ob­so­les­cên­cia pro­gra­ma­da, tam­bém po­de en­ca­re­cer os pro­du­tos. O con­ser­to de smartpho­nes e la­va­do­ras de rou­pa já se tor­nou bas­tan­te com­pli­ca­do, o que sig­ni­fi­ca que, quan­do es­sas coi­sas que­bram, as pes­so­as as jo­gam fo­ra, em vez de ten­tar re­pa­rá-las.

A pri­va­ci­da­de tam­bém es­tá sob ame­a­ça. Mui­tos con­su­mi­do­res fi­ca­ram hor­ro­ri­za­dos ao des­co­brir que, além de lim­par o chão de su­as ca­sas, os as­pi­ra­do­res de pó ro­bó­ti­cos da mar­ca iRo­bot tam­bém cri­a­vam ma­pas di­gi­tais do in­te­ri­or da re­si­dên­cia, os quais po­de­ri­am ser ven­di­dos a anun­ci­an­tes (em­bo­ra o fa­bri­can­te ga­ran­ta que não pre­ten­de fa­zer is­so). Qu­an­do hac­kers des­co­bri­ram que o vi­bra­dor We-Vi­be, que se co­nec­ta a um apli­ca­ti­vo de smartpho­ne, re­gis­tra­va e gra­va­va in­for­ma­ções ex­tre­ma­men­te ín­ti­mas, a fa­bri­can­te Stan­dard In­no­va­ti­on se dispôs a pa­gar até US$ 3,2 mi­lhões aos do­nos do brin­que­do eró­ti­co e seus ad­vo­ga­dos.

Agri­cul­to­res se quei­xam de que, se ti­ve­rem pro­ble­mas na ho­ra er­ra­da, a exi­gên­cia es­ta­be­le­ci­da pe­la John De­e­re – se­gun­do a qual seus tra­to­res só po­dem ser ope­ra­dos com um soft­ware au­to­ri­za­do, que os en­ca­mi­nha pa­ra as­sis­tên­ci­as téc­ni­cas si­tu­a­das a vá­ri­os quilô­me­tros de dis­tân­cia – po­de ter con­sequên­ci­as co­mer­ci­al­men­te de­vas­ta­do­ras. Al­guns de­les vêm con­tor­nan­do a li­mi­ta­ção com softwa­res pi­ra­tas tra­zi­dos do Les­te Eu­ro­peu.

Di­rei­to. Tais in­tro­mis­sões de­ve­ri­am ser­vir pa­ra lem­brar às pes­so­as de que elas de­vem ze­lar por seus di­rei­tos de pro­pri­e­da­de. Os con­su­mi­do­res pre­ci­sam bri­gar por seu di­rei­to de ma­ni­pu­lar co­mo bem en­ten­de­rem as coi­sas de que se tor­nam pro­pri­e­tá­ri­os, mo­di­fi­can­do-as se o de­se­ja­rem.

Nos EUA, a ideia já ins­pi­ra o mo­vi­men­to pe­lo “di­rei­to ao con­ser­to”. Em di­ver­sos Es­ta­dos, os le­gis­la­do­res dis­cu­tem sua trans­for­ma­ção em lei. O Par­la­men­to Eu­ro­peu quer que os fa­bri­can­tes tor­nem al­guns pro­du­tos, co­mo as la­va­do­ras de rou­pas, mais fá­ceis de con­ser­tar. Na Fran­ça, os fa­bri­can­tes de ele­tro­do­més­ti­cos são obri­ga­dos a in­for­mar aos con­su­mi­do­res quan­to tem­po o apa­re­lho de­ve du­rar, o que ser­ve pa­ra dar uma ideia de até que pon­to ele po­de ser con­ser­ta­do.

As au­to­ri­da­des de­ve­ri­am es­ti­mu­lar a con­cor­rên­cia, ga­ran­tin­do, por exem­plo, que as as­sis­tên­ci­as téc­ni­cas in­de­pen­den­tes te­nham o mes­mo aces­so a in­for­ma­ções so­bre os pro­du­tos, fer­ra­men­tas pró­pri­as e pe­ças das au­to­ri­za­das — di­re­triz que já é ado­ta­da pe­la in­dús­tria de car­ros.

As pes­so­as não dei­xa­rão de ser do­nas das coi­sas que com­pram, mas o sig­ni­fi­ca­do dis­so es­tá mu­dan­do. E o fenô­me­no exi­ge aná­li­se cui­da­do­sa. A ven­da de um apa­re­lho tem co­mo pres­su­pos­to a ideia de que seu com­pra­dor po­de­rá fa­zer o que qui­ser com ele. A par­tir do mo­men­to em que o dis­po­si­ti­vo é con­tro­la­do por ou­trem, es­sa li­ber­da­de fi­ca com­pro­me­ti­da.

Fonte: Jornal Estadão.

© 2017 THE ECONOMIST NEWSPAPER LIMITED. DIREITOS RESERVADOS. PUBLICADO SOB LICENÇA. O TEXTO ORIGINAL EM INGLÊS ESTÁ EM WWW.ECONOMIST.COM

Fechado para Comentários.